Imagine (primerísima tatuagem)

15175342_1136369446449037_517792994_n.jpg

Há ANOS eu escrevia de canetinha a palavra “imagine” no meu pulso. Agora, ela vai ficar pra sempre!

Fiz ela em um estúdio em Contagem/MG (super recomendo Tattoo Network), no dia 26 de novembro de 2016. Estava sendo uma fase péssima, eu não tinha feito nada que queria e/ou tinha planejado, e como acredito nesse poder que o aniversário possui, tentei marcar para o dia 23. Como o ano já estava contra mim, não consegui pro dia do meu aniversário, mas para três dias depois (apesar de também acreditar no misticismo do número três). Fiquei ansiosa, pensei em desistir já que ainda não tinha contado pros meus pais, pensei em fazer já umas três de uma vez só…

Quando chegou o dia, Cho Paulo, meu namorado, me larga sozinha no estúdio. Eu resolvi tudo direitinho com o César (ou Bito), ele me mostrou todos os materiais que seriam descartados depois, me disse que eu teria que dar uma distância de dois dedos da dobrinha do pulso para evitar de “estourar” e riu demais quando comecei a gritar CARALHO NÃO DÓI.Sinceramente, NÃO DÓI. Pelo menos não do jeito que a gente pensa. Dá uma queimadinha, parece que estão arranhando o seu braço, mas nada insuportável. Claro que tem diferenças de pessoa pra pessoa, de lugar pra lugar, mas se é o medo da dor que te impede de realizar o seu desejo de se tatuar: vai nessa que cê aguenta.

Porque raios eu tatuei “imagine”??!
Desde criança uma das coisas em que eu mais me destacava era no quesito imaginação. Eu sempre gostei de escrever, inventar, desenhar… tudo o que estava ligado a imaginação, criatividade, eu estava lá. Quando cresci, descobri minha paixão pela Publicidade e um dos quesitos que eu considero necessário para um publicitário (baseando-me rigorosamente em nada) é a criatividade. Também, acrescenta-se o meu amor pela música Imagine.

Enfim. Não ficou cara. O Bito me cobrou R$120,00 reais por ela+o retoque. E sim, eu tive que retocar por diversos fatores, mas no mais foi por causa da região e porque a tattoo é de traço fino (pelo menos foi o que deu pra entender).Eu amei o resultado. 15878746_1168287876590527_1828485399_n.jpg

 

Tattoo: elefante – significado

tdelicada3

Eu simplesmente adoro elefantes e simplesmente morro de vontade de tatuar um bem desenhadinho, como esse da primeira foto (com detalhes tribais, sl). Por isso – e por ter visto muitos elefantes tatuados recentemente -, resolvi trazer o significado lindo da tatuagem desse animal magnífico. Claro, repito como no antigo post, que o significado depende de você, do que representa pra você. Mas é bom saber sobre crenças e significados por aí a fora, nem que seja por um momento ~cultura inútil~.
telefante

É de uma cultura meio geral que os elefantes tem ~boa memória e viver muito~, por isso os ligamos a sabedoria e inteligência. Além disso, existem várias culturas em que o animal é sagrado e até idolatrado, misturando sua imagem a de um ser humano (como Ganesha, deus da prosperidade e sabedoria). Na Índia, o elefante é um símbolo de poder, paciência, sabedoria, sucesso, prosperidade e benevolência. Ironicamente, os elefantes são também um símbolo de castidade e grande energia sexual. Como são as fêmeas que lideram as manadas, o elefante também pode significar o feminino, o laço com a família, poder e também o feminismo.telefante2

Uma das tatuagens mais comuns de elefante mostra uma família, geralmente um elefante maior que representa o pai, um médio que representa a mãe e um menor que representa o filho, como essa aí em cima. Isso porque os elefantes são conhecidos pelas suas atitudes que demonstram zelo familiar, pois são unidos e cooperam uns com os outros.

Existe uma lenda Hmong (são um grupo étnico asiático do sul da China, nômades e pouco integrados ao resto do país) que diz que os elefantes levavam as almas dos mortos para o submundo. A lenda originou-se com base nos rituais de morte dos elefantes, que enterram os corpos dos integrantes da manada com terra, poeira e gravetos. Quando alguma manada encontra algum ~túmulo~, por assim dizer, eles pegar os ossos e passam de boca em boca, começando da líder (que seria a elefante fêmea mais velha) até passar por todos os elefantes, depois eles enterram do mesmo jeitinho, como forma de respeito.

Uma outra curiosidade (que não tem muito a ver com a tatuagem em si), dizem que ganhar um elefante, seja uma miniatura ou algo com este símbolo, é sinal de sorte, proteção e gratidão. Colocá-lo de costas para as portas da tua casa pode atrair dinheiro (o que seria muito bom) e que, quando a família ou os que residem na casa passam por maus momentos, acariciar sua tromba trará esperança, harmonia, sabedoria, saúde e felicidade para todos ( o que também é muito bom).

Espero que tenham gostado 🙂 E podem me dar um elefante de presente 🙂

 

E a Ditadura Inversa?

large.jpg

Há não muito tempo atrás, o que sociedade considerava como bonito era o padrão de beleza europeu que todo mundo conhece: cabelo liso, olhos claros e traços finos. Devido a esse pensamento, muitas mulheres foram atrás do que a genética não lhes deu, mais do que depressa a indústria de cosméticos trouxe para o mercado métodos que pudessem facilitar o processo de alisamento dos cabelos. O secador e a touca eram os melhores amigos da maioria delas, algum tempo depois, a chapinha e suas futuras versões melhoradas também. Porém, como ambos são arruinados pela umidade, os desenvolvedores de cosméticos apresentaram a escova progressiva ao mundo. A novidade ganhou muitas adeptas, muitas cacheadas passaram a ser lisas, nem todas por vontade própria, mas sim por opressão social.

             Nos anos de 2015 e 2016 campanhas e incentivos à naturalidade foram feitas, a auto-aceitação foi colocada em pauta nas redes sociais e principalmente a aceitação alheia pela diversidade que temos no mundo. Diante disso, muitas garotas deixaram de alisar seus cabelos e exibem lindamente seus cachos poderosos. Falando assim parece libertador, se não fosse pelos julgamentos que as meninas que continuaram alisando recebem.

Há um mês eu estava na praia, havia três amigos andando na minha frente e eles estavam em atrito porque as duas garotas não queriam entrar no mar. As duas têm cabelos bem cacheados e o menino brincou com elas assim: Ah, sei por que vocês não querem entrar, vai estragar a chapinha. Uma das meninas fez cara de ofendida e retrucou: Olha bem pra mim, vê se eu tenho cara de menina que faz chapinha.

            Quando ouvi isso realmente percebi que as pessoas não aceitam meio termo. Ou seja, se você tem cachos, você TEM que assumi-los, se você tem cabelo liso, você não pode fazer trancinhas afro ou cachear o seu cabelo, simplesmente. É ruim ser julgado por algo tão ridículo, eu queria ter nascido com cabelo liso, não porque alguém falou que tem, mas porque eu acho mais bonito em mim, é mais fácil de cuidar, acho que combina muito mais comigo. Infelizmente, o mais perto que eu chego disso é com química, que não dura pra sempre, estraga o cabelo e nos impede de fazer muitas coisas com ele. Há os que digam: então assuma seus cachos! E eu digo: eu não queria ter cachos, eu escolhi assim e não sou pior por causa disso.

            Da mesma maneira estão tratando quem gosta de ter cuidados a mais com o corpo. Sim, as pessoas têm que viver da forma que acham certo, ter o corpo que lhes faz bem, porém, tem gente que se sente bem indo à academia, se vendo magra e definida, essa pessoa não é pior por causa disso. Do mesmo jeito que antes ser gordo era motivo de preconceito, muita gente tem preconceito com quem é magro e se regra pra isso. Fazer dieta não é se privar, comer de maneira saudável não é se privar e, principalmente, ficar do jeito que você se sente bem não é se privar.

            Então pessoal, por favor, para encorajar uma causa não é necessário julgar a outra. Nem todo mundo nasce do jeito que quer, nem todo mundo se sente bem da forma que veio ao mundo, uns aceitam continuar assim, outros querem mudar, então não façam da mudança um processo ainda mais difícil. Obrigada e beijos pra quem leu.

IMG_2618

                                                         Por: Carol Bicalho

Sobre meu direito de não lavar a louça

large (3).jpg

É um fato que vivemos em uma sociedade machista. A mulher sempre esteve em segundo – ou último – plano e a luta para ganhar voz perante a sociedade para, ao menos, conseguir direitos básicos, como estudo e voto, foi longa. A mulher, vista como objeto por muitos até hoje, cumpria seu mero papel social de cozinhar, limpar, cuidar da casa e dos filhos e após isso tudo, estar linda e limpa para satisfazer o marido, isso sendo na hora que ele quisesse, se ele quisesse, como e onde ele quisesse, afinal, mulheres não merecem sentir prazer. Isso é proibido a elas. Sem contar que antes de ser taxada apenas de “esposa”,  ela deveria ser “moça de família”, aprendendo os afazeres domésticos, sem sair muito de casa e se mantendo pura e casta, para quando o homem certo – para o pai dela – aparecesse, ele pudesse receber os devidos dotes para aceitá-la como mulher.

Em pleno século XXI presencio absurdos, casos que contam que as mães vivem em função dos pais, que “meu irmão não ajuda em casa e eu que faço o trabalho todo enquanto ele pode aproveitar o tempo livre”. Pesquisas feitas no começo desse ano, mostram que meninas que tem irmãos em casa (a maioria delas sendo a mais velha dentre os irmãos) tinham menos tempo para brincar, estudar e outras atividades que seus irmãos do sexo masculino. E isso nos deixa frustradas, mal, pês da vida, sabia?

Digo isso porque a cozinha do almoço aqui em casa era minha. Todo o santo dia, não importando se eu almoçasse em casa, a cozinha era minha. E meu irmão chegava da aula e cumpria a seguinte rotina: tirar o uniforme, colocar o prato de comida, subir para a sala de tv, comer lá e dormir até as seis, largando o prato onde ele bem entendesse de ficar.

Depois de um tempo, minha mãe também se cansou dessa história e resolveu que ele teria que ajudar. E que o meu direito de não lavar a louça (pelo menos nos dias em que não ficasse em casa) seria defendido por ela também.

large (1).jpg

Se todos nós moramos nesse pequenos espaço chamado casa, todos nós, TODOS NÓS, independente de qual órgão sexual tenhamos entre as pernas, temos que ajudar a mantê-lo limpo e organizado. Não é só porque ela é mãe, eu sou irmã ou porque nós somos mulheres que temos obrigação de fazer todo o trabalho de casa sozinha.

Os homens que me desculpem falar assim, mas vocês não serão menos homens se ajudarem em casa, aliás, assim como nós, não estarão fazendo mais que a obrigação. E sinceramente, também tem aquela história de “pai que cozinha, pai que cuida da casa sozinho, pai solteiro” é mais que “mãe que cozinha, mãe que cuida da casa sozinha e mãe solteira”, e não vejo sentido nenhum nisso.

Admito sim que eu largo coisas por aí, mas isso é assunto pra outro texto -e que se eu fosse escrever, talvez minha mãe sugerisse como título “falta de vergonha na cara”, mas vamos deixar isso pra depois, tipo, nunca?

Voltando, acho muito bom que as mulheres, não importando a idade, a cor, a classe social e o emprego, lutem pelo seus direitos. Pelo direito de trabalhar, pelo direito de ser respeitada como ser humano, pelo direito de sair de casa de short, andar a noite e pelo direito de não lavar a louça, afinal, já conquistamos muita coisa, porque parar agora?

large.jpg


Revisado por Ana Carolina Bicalho.

Sextas (intensas)

fff

Meu bem, assim não dá

A vida é tão fácil

Não venha complicar

Nós damos certo

Se você faz dar

Mas o que acontece

Se só sabe brigar?

Quando olho pra você

Vejo todos os meus desejos

Traduzidos em carne e osso.

Você fala minha língua

Tem uma perfeita interpretação de mim

Falamos o mesmo idioma

Estamos em sintonia.

Inspiração: Tatuagens Literárias

t2

Sonha em fazer uma tatuagem? Que tal homenagear o seu escritor, livro ou personagem preferido? Confere aí as inspirações!

tl12 tl13 tl14 tl15 tl16tl11 tl17 tl18 tl19 tl1 tl2 tl3 tl4 tl5 tl6 tl7 tl8 tl9 tl10Farei, só não sei homenageando quais livros ou escritores haha ❤ Espero que tenham gostado, e se tiverem ou forem fazer alguma, me fala! Bj

Tag: Isso ou aquilo

large (5)

Fui desafiada pela linda da Belli Burton a responder a tag “Isso ou aquilo”. E aqui estão minhas respostas:

Maquiagem

1. Bronzer ou Blush?

Bronzer.

2. Máscara ou delineador?

Márcara. Acho lindo aquele olhar poderoso cheio de cílios.

3. Corretivo ou base?

Não uso nenhum dos dois. Mas, base. Não sei porque.

4. Sombras coloridas ou neutras?

Neutras. Acho que combinam mais com meu jeito de Miss Cara-Lavada.

5. Compactas ou soltas?

Soltas. Gosto do efeito esfumado, com misturinhas de marrom e preto, por exemplo.

6. Pincel ou esponjinhas?

Pincéis.

Unhas

7. Esmaltes: Impala, Risqué ou Colorama?

Meu esmalte preferido (o Na Moda 3D) é da Impala, entãaaao… Impala. Mas só por causa disso também, porque pra mim todos tem cores lindas e a cobertura só depende do jeitinho de passar.

8. Compridas ou curtas?

Compridas. É tãaaaao lindo

9. Esmaltes claros ou escuros?

Não sei. Pode os dois?

10. Com ou sem florzinha?

Não gosto de florzinhas, pedrinhas, pelos, adesivos e outras coisas na minha unha. Os únicos que eu uso são uns que minha sogra me deu que é um amorzinho e muito discreto. Mas é bem raro, eu tenho que estar inspirada.

Corpo

11. Perfume ou body splash?

Perfume!!!!!1!!

12. Manteiga ou hidratante?

Hidratante.

13. Sabonete em barra ou líquido?

Barra. Mas posso dizer que me sinto phyna com sabonetes líquidos? Então, eu me sinto.

Cabelos

14. Enrolados ou lisos?

Eu acho maravilhoso cabelos lisos, mas o cacheado dá certo pra mim. Amo meu emaranhado de cachos ❤

15. Rabo de cavalo ou coque?

Coque. Só que eu podia aprender a fazer aqueles coques bonitos que a Belli faz.

16. Spray ou gel?

Spray, com certeza. Não sei como uma pessoa consegue usar gel.

17. Curto ou comprido?

Meu cabelo sempre foi comprido. Menos da vez em que eu dei a louca de cortar ele acima do busto. Mas eu amo cabelos curtos, só não combina comigo. Infelizmente.

18. Claro ou escuro?

Cadê o colorido, produção? Escuro.

Perguntinhas Aleatórias

19. Chuva ou Sol?

Não que eu seja dessas que odeia o Sol, luz e tals, mas a chuva me atrai. Acho lindo. E eu sou dessas crianças que brincam na chuva e ficam correndo e pulando em poças… Enfim.

20. Verão ou Inverno?

Verão.

21. Primavera ou Outono?

Outono é a minha estação preferida do ano. Eu sei que aqui não é marcante em nada, mas o meu Outono-imaginário é igual aquele de filmes ❤

22. Chocolate ou baunilha?

Chocolate é minha paixão. Menos pra sorvete. Odeio sorvete de chocolate. E AMO o de baunilha 🙂

Beeeeeem, espero que tenham gostado, e eu desafio a Isa, do With My Journal a responder essa tag ❤

Bjs e até logo.