Como ~superar~ aquele amor

Imagem de game over, game, and quote

Certa vez uma amiga perguntou como fazia pra esquecer um amor, alguém especial… Eu respondi que não sabia, mas que ficaria atenta a qualquer resposta.

Eu gosto de colecionar amores. Seja um amor imaginário de livros, seja um amor por comidas diferentes, por uma cor… Mas sou bem difícil de amar as pessoas. Não parece, porque hoje em dia tenho muitos amigos que eu tenho o prazer de falar com todas as letras que amo, tenho meu namorado de longa data que é o amor da minha vida e até meu cachorrinho que amo muito, mesmo com toda a sua lerdeza.

Porém, na realidade, amar alguém é bem complicado e não acredito que aconteça como nos filmes da Disney, de só bater o olho e começar a cantar junto. Pra amar alguém, na minha opinião, é necessário que se tenha uma história com essa pessoa. Não precisa necessariamente ser longa, tipo uns cinco anos, mas que te marque de algum jeito, que te ensine algo.

Quando você tem essa história, você constrói um relacionamento e, as vezes, cultiva um amor. E depois que o amor existe não tem como apagá-lo. Ou ele se torna uma lição, uma fase ruim ou até um ~momento~. Esse amor que você quer esquecer será sempre uma lembrança.

Quando ouvir uma música que foi ~aquela~ pessoa que te indicou, quando ouvir certas expressões ou ver uma situação parecida com a dela, aquele sentimento tá ali. Não que você vai AMAR PRA SEMPRE E AIMEUDELLS. Você passa a entender que essa pessoa não estava ali pra ficar contigo, foi uma possibilidade e que haverão mais algumas e pode acontecer novamente.

Você vai amar outras pessoas sim, depois daquela decepção amorosa. Você vai dar certo com alguém eventualmente. Mas pra gente crescer e aprender certas coisas, precisamos encontrar quem nos ensine, e algumas vezes a gente quer que fique pra sempre alguém que veio apenas de passagem.

Então, minha amiga, acontece que você não vai esquecer. Mas vai entender que não era pra ser.

 

Temos que nos perder, para nos encontrar

Imagem de girl, vintage, and indie

Se não vai cair de cabeça

nem se atreva

não vou nem ligar, afinal, é só mais um fim

no meio desses montes de histórias românticas

tínhamos tudo pra dar certo

mas então você me fez escolher

meu bem, sempre será eles

porque com eles não tem final

e se tiver, é feliz

porque com eles minha loucura não é problema

posso ser eu mesmo, sem julgamentos, sem vergonha

sou louca

e moro num hospício

minha história parece alucinação

e meus amigos são insanos

se não vai cair de cabeça

se afogar, sem controle de nada

nem se atreva

morrerá são, seco e sozinho

e eu, cheia de amigos e histórias pra contar

tudo seu é planejado

e eu gosto de deixar acontecer

porque você faz rotas e segue metas

faz passeios e só vai em pontos turísticos conhecidos

e eu gosto de caminhar pelas vielas anônimas

e aproveitar a beleza simples

gosto de fazer meu próprio caminho

e assim eu me divirto

você morrerá cheio das mesmas fotos

postadas em peso nas redes sociais

eu morrerei completa

afinal temos que nos perder

para nos encontraR.

Não quero você por um dia. Fica pra sempre?

Imagem de car, city, and travel

Com toda certeza do mundo eu poderia viver sem você, só que a vida é feita de escolhas. Após quebrar muito a cara, aprendi que nem sempre tomamos as melhores decisões e, por isso, é que hoje lhe digo que suas desculpas já não são necessárias, afinal, não faz diferença. Erros ficam no passado, não é?

Você ficou para  trás, no sentido amoroso. Já te encaixei no meu coração e mente, então você não fica por aí, voando, se infiltrando em todo e qualquer pensamento que eu possa ter. Eu ficava confusa quando isso acontecia, mas agora estou bem melhor.

Você é importante na minha vida porque eu escolhi ter você comigo, o motivo disso ainda é desconhecido. Quando ainda estava confusa, pensei que você era fundamental, como ar. Descobri que não é bem assim, também descobri que nós temos certo controle sobre sentimentos.

Pensei que poderíamos acontecer. Certamente sim, mas por tão pouco tempo, talvez apenas uma vez, e eu não quero te perder nunca. Acredito que eu não suportaria você e você quereria me matar todos os dias. Somos o tipo que fica bem assim, você ai e eu aqui, mas juntos – de certa maneira. Presenças contantes na vida um do outro, mas cada um com sua vida.

Sei que você estará comigo, não sei por quanto tempo mais o fará, já que andei pisando na bola, descontando em você minha frustração de não saber por onde andar, qual caminho seguir. Mas faça o que tiver de ser feito. Se quiser ir, você é livre, mas adoraria se ficasse.

(ficou confuso? eu também. desconfio que ainda não é assim tãaaao claro, mas está indo)

*escrito pra pessoa mais grosseiramente fofa do universo: roubei tua história mesmo nanda*

Se você for

Imagem de love, couple, and hug

Sabe, as vezes a vida te joga pra longe, como um bumerangue, mas assim como tal, você volta. Sei que vai se afastar, mas tenho esperança que você seja uma dessas pessoas que vão e voltam. Fique de olho na rua, e nas pessoas que se esbarram em você. Uma delas pode ser eu. E enfim, eu amo você demais pra te deixar ir sem nem ter a remota possibilidade de eu voltar a te ver. Desculpa se eu um dia te magoei, se fiz algo pra isso, tenha certeza absoluta que não foi por mal. É que eu sou uma pessoa expansiva, exagerada… As vezes passo dos limites. Culpa do signo, sabe? Ignora isso aí, esqueci que não acredita nisso, ou melhor, em quase nada. Se eu te irritei, bem, agora sabe o motivo. Sim, tenho essa mania quando me aproximo demais de alguém. Eu me preocupo demais, me intrometo demais, irrito e tento de todas as formas estar envolvida de todas as maneiras. Mas aí é que tá: faço isso tudo, porém não dou o braço a torcer. Nunca vou admitir isso pra você, cara a cara, mas sou orgulhosa demais e medrosa também para colocar o coração pela boca e falar dos meus sentimentos. Acredito que por isso que tudo seja tão intenso comigo: fica tudo guardado, embolado aqui dentro e acaba virando uma bola de fogo que consome tudo. Mas não soltarei por mais que queime, por mais que doa. Por mais que você vá embora agora e me deixe só. Como disse, não acredito no NUNCA com a gente. Se você for, eu sei, bem lá no fundo, que a gente vai se ver pela vida.

Confissão

ddOlha, quando eu disse que amava você, era sério. Muito sério. Aliás , eu nem deveria ter sorrido depois. Você se tornou um ser indispensável nos meus dias. Não consigo mais não conversar com você, seja quando eu estou feliz ou quando você está triste, porque você já me conhece ao ponto de saber que nunca vou querer conversar quando estou mal e que adoro escutar seus casos de amores platônicos. Se um dia você for embora da minha vida, vai levar um pedaço meu contigo. Me apeguei a você e morro de ciúmes de ti. Quando vejo você conversando com outras pessoas, tenho que me segurar pra não entrar no meio da conversa, tenho que me segurar todas as vezes que me trata com a meiguice, a fofura, a doçura que só mostra pra mim – e eu me gabo interiormente por isso. Adoro o seu jeitinho de me perguntar se estou bem. Digo “jeitinho” não de uma forma fofa, mas é pra deixar explícito o seu poder de arrancar a verdade dos meu lábios… E por falar em lábios, eu adoro os seus… Naturalmente rosados e aparentemente macios…. Sim, tenho que me segurar. Adoro quando você se deita indiscretamente perto das minhas mãos, porque sabe que eu vou fazer carinho. Não sei o que está fazendo comigo, só sei que as minhas certezas agora tem um ponto de interrogação no lugar do ponto final.

Sextas (intensas)

fff

Meu bem, assim não dá

A vida é tão fácil

Não venha complicar

Nós damos certo

Se você faz dar

Mas o que acontece

Se só sabe brigar?

Quando olho pra você

Vejo todos os meus desejos

Traduzidos em carne e osso.

Você fala minha língua

Tem uma perfeita interpretação de mim

Falamos o mesmo idioma

Estamos em sintonia.

Eu já não amo mais você

j,yg

Sumiu assim do nada. Eu ficava me sufocando, me perguntando o que eu fiz de errado, “porque, diabos, você não continuou aqui comigo?”. Hoje eu estou bem. Consigo pensar me você sem sentir aquele aperto no peito, sem lágrimas brotarem em meus olhos, sem a dor. É, não dói mais. Eu não sinto nem raiva de você. Só um pouquinho de saudade, mas é normal, já que muitos dos nossos dias foram bons. Mas é só isso, saudade dos dias de sol que aproveitamos, lembranças boas que, sim, guardarei comigo. Agora, te amar? Não, não mais. Acostumei com a falta de você nos meus dias, na minha cabeça, no meu coração. Me acostumei e aceitei que o nosso tempo já tinha acabado. Foi melhor assim. Continuo aqui no mesmo sofá vermelho com almofadas coloridas em que passeinoites me perguntando se o que eu sentia era amor, em que nós assistimos 500 Dias com Ela e não entendemos nada. A diferença é que hoje eu passo as noites em claro estudando ou conversando com minhas amigas e nós, eu e elas, assistimos o mesmo filme esses dias e olha só: eu entendi, afinal.